Oscilação de energia em residências: saiba como se proteger


Todos os aparelhos eletrônicos conectados a tomadas correm o risco de interferência com a oscilação de energia. Nesses casos, eles podem funcionar em menor frequência ou até mesmo pararem de operar. A oscilação de energia em residências é comum, principalmente, entre outubro e janeiro, época em que as chuvas são mais intensas e acompanhadas de raios. Assim, a probabilidade da energia ser interrompida por conta de problemas nas redes elétricas ou de uma sobrecarga causada por um raio são maiores. Apesar de opostos, os dois casos podem oferecer danos significativos aos aparelhos.

Quando a energia é interrompida de uma hora para a outra, por exemplo, os aparelhos são desligados de forma repentina, perdendo suas configurações. Imagine que você está subindo um arquivo pesado para um serviço de nuvem quando acaba a energia, todo o trabalho será perdido.

Já quando acontece a oscilação de energia e a frequência se mantém em um nível mais baixo, os aparelhos continuam operando, mas sem a força necessária para executarem suas funções de maneira ideal, o que pode causar danos definitivos.

Agora, quando acontece um pico de energia – quando um raio cai no para-raios de um prédio, por exemplo – os danos podem ser ainda piores. Dentro das residências, os principais aparelhos afetados por essa situação geralmente são computadores, televisores e eletrodomésticos. Isso porque eles precisam de energia estabilizada para funcionar e, com a sobrecarga, as peças ficam vulneráveis, podendo “queimar” e tornar o eletrônico inutilizável.


Como se proteger de oscilação de energia em residências?

Imprevistos com raios ou quedas de energia podem ser evitados. No mercado existem alternativas que mantém a energia de forma constante e protegem os dispositivos em casos de picos ou cortes repentinos de transmissão da rede elétrica.

Os principais equipamentos utilizados em residências sãos os estabilizadores, nobreaks, protetores eletrônicos e os dispositivos de proteção elétrica. Vamos ver mais detalhes sobre cada um a seguir.

Estabilizadores

Os estabilizadores, também chamados de filtros de linhas, são como réguas de tomadas com fusíveis que queimam quando há pico de energia, protegendo os aparelhos. Utilizados principalmente em residências, podem ajudar a proteger mais de um equipamento, uma vez que têm a capacidade de conectar diversas tomadas. Essa alternativa, porém, funciona de forma mais efetiva para picos de energia; quando há oscilação, os estabilizadores não conseguem evitar os danos.

Nobreaks

Os nobreaks são equipamentos que alimentam os dispositivos conectados em caso de falta de energia ou oscilações da rede elétrica. Assim, atuam em duas frentes:

  • Ajudam a manter a energia estável quando existe alguma oscilação na rede, não deixando que a instabilidade cause danos nos eletrônicos domésticos;

  • Mantém a energia constante em caso de pico, para não sobrecarregar os aparelhos.

Muitas pessoas pensam que esses aparelhos são voltados apenas para empresas ou indústrias, mas existem nobreaks de diferentes portes, e há modelos que podem funcionar dentro de uma residência sem gasto excessivo com energia. O tipo mais indicado para eletrônicos simples, como televisores, computadores e home theaters são conhecidos como nobreaks interativos.

Protetores eletrônicos

Os protetores eletrônicos são frequentemente confundidos com as réguas de tomada. Porém, enquanto esta tem apenas a função de extensor, os protetores servem, como o próprio nome diz, para proteger contra sobrecarga, curto-circuito, surto de tensão e também na volta da energia após uma queda. Assim, além de servir como uma extensão, ele também é uma forma de assegurar que os aparelhos conectados não irão queimar com as alterações na rede elétrica. Leia esse post para saber mais sobre como funcionam os protetores eletrônicos.

Dispositivos de proteção elétrica

Também há a opção de utilizar dispositivos de proteção contra surtos elétricos. Eles são conectados às tomadas e protegem os equipamentos contra raios, surtos de tensão e sobrecargas. Os dispositivos protegem todas os pinos, entre eles o condutor terra, e proporcionam segurança contra choques elétricos. Além disso, possuem filtro de linha contra interferências e ruídos, o que colabora para melhorar a qualidade de imagem e áudio dos equipamentos conectados à rede.

O que fazer se meu aparelho queimar?


Agora, se tudo isso não for o suficiente ou você não contar com esses métodos de prevenção, em alguns casos, a ANEEL, Agência Nacional de Energia Elétrica, garante que a distribuidora de energia da região se responsabilize pelos danos causados por oscilações, picos ou cortes de energia.

O consumidor que tiver um aparelho queimado por conta de uma oscilação de energia em residências tem até 90 dias para solicitar que a distribuidora o ressarça. Depois de aberto o pedido, esta tem até dez dias para avaliar os danos e então mais 15 dias para informar o consumidor se o pedido foi aprovado. Caso seja comprovado que o problema foi causado por instabilidade na rede, a distribuidora tem mais 20 dias para o ressarcimento.

A melhor forma de lidar com a oscilação de energia em residências ainda é a prevenção. Utilizar os aparelhos descritos ajuda a evitar as incomodações causadas pela queima dos eletrônicos. Algumas práticas simples, como desligar os equipamentos da tomada durante tempestades ou quando se sai para viajar; ficar atento a alterações significativas na conta de energia; e evitar ligações irregulares também são opções para prevenir danos.

#condominio

Posts Em Destaque